sábado, 21 de junho de 2008

Cannibal Holocaust




"Não feche os olhos, veja! Eles são homens, homens como você!"

por Lucas Ramone

Junte um grupo de jovens cineastas, uma expedição à Amazônia, duas tribos canibais, efeitos de maquiagem ultra-realísticos e voilá: você terá em mãos o maior clássico do gore mundial. Este é Cannibal Holocaust (Itália, 1979), a obra prima do canibalismo dirigida por Ruggero Deodato.Filmada como se fosse um documentário verdadeiro, a obra é considerada o filme mais controverso de todos os tempos, e ainda há gente que assiste pensando se tratar de um snuff movie (película em que os atores são mortos de verdade, em frente às câmeras).



A história, por mais simples que pareça, é provavelmente a mais complicada trama sobre canibalismo já feita em solo italiano. Um grupo de quatro jovens cineastas americanos vão à floresta amazônica ( o "Inferno Verde") com a intenção de realizar um documentário que choque as pessoas, ou seja, um "shockumentary", para mostrar ao mundo a realidade dos índios que se escondem por aquelas bandas. Junto do guia Felipe, eles se embrenham cada vez mais na mata, desaparecendo em questão de dias. O professor Harold Monroe (Robert Kerman) resolve por si só ir atrás dos garotos, na tentativa de encontrá-los, e parte para a floresta. Acompanhado de um militar e um índio civilizado, o professor Monroe passa por experiências que testam seus limites de ser humano, e consegue finalmente encontrar os rolos de filme. Ao voltar para Nova York, o filme é revelado, assim como o destino dos quatro jovens documentaristas...



Usando e abusando dos efeitos de maquiagem, este filme nunca foi e com certeza nunca será lançado no Brasil. Se você ouve falar demais de um filme, fica com suas expectativas lá em cima, e quando assiste, se decepciona por não ser EXATAMENTE como você imaginava. Porém, há uma exceção a essa regra, e ela se chama Cannibal Holocaust. Não há como ficar impassível vendo este filme, seja pelas mais do que realistas cenas de canibalismo, ou pelas inúmeras crueldades contra animais que ocorrem durante a projeção. Você fica tenso, o sangue ferve e no final, você tem a certeza que nunca, mas NUNCA mesmo, teria coragem de entrar na floresta da região amazônica.



Na epóca em que foi lançado, o filme foi imediatamente retirado das salas de projeção, pois muitas pessoas saíam vomitando, com dores de estômago, traumas e até desmaiadas. O diretor Ruggero Deodato teve que se explicar às autoridades sobre as mortes ocorridas no filme. Para provar que o filme é uma farsa, Deodato foi a vários programas de alta audiência no mundo todo, juntamente de todo o elenco do filme, para provar que estavam vivos e bem, pois o sumiço deles após o fim das filmagens ajudou na polêmica. Como eu disse anteriormente, ainda hoje há gente que vê o filme achando se tratar de material verídico, sem saber de toda a farsa.
Bom, eu não poderia escrever toda esta resenha sem falar UMA ceninha do filme ;). Então leia o próximo parágrafo por sua própria conta e risco, pois pode estragar a surpresa de quem não viu ainda.
*SPOILER*
Ao chegar próximo a um rio, o professor Monroe e seus companheiros presenciam um ritual típico dos índios: um índio chega à praia numa canoa, junto de uma mulher totalmente embarrada e desesperada. Ele arrasta a mulher para a terra, e com uma esécie de cunha ou sei lá o quê, estupra a mulher, fazendo-a sangrar intensamente. Em seguida, bate em sua cabeça com força, até que ela repentinamente para de gritar. Já não vive mais.
*FIM DO SPOILER*



E pensar que lá atrás, lá nos anos 50, os cineastas tentavam (e muitas vezes conseguiam) assustar o público com alienígenas, animais gigantes e outras aberrações. Heheheh. Mesmo ficando com medo daquelas colossais formigas assassinas, o povo sabia que era praticamente impossível algo daquele jeito um dia acontecer. Já com Cannibal Holocaust não é a mesma coisa. São seres humanos como eu e você matando e devorando seres humanos como eu e você. Confesso que muitas vezes duvidei do povo da internet, que sempre elogiava este filme, dizendo ser a mais brutal obra de todos os tempos. Quando coloquei o filme pra rodar, já fui pensando: "...lá vem mais decepção com tripas de borracha falsa...". Porém, me surpreendi, e muito. E com certeza você também se surpreenderá, caso ainda não tenha visto o filme.


4 comentários:

rfafla disse...

esse filme e foda!!!!

coffeeandglitter disse...

Um dos filmes que mais criou polêmica de toda a história do cinema. Ainda não criei coragem para assistir.

Adorei o blog.

Bia.

(comentando com meu blog antigo. abra os comentários para quem não tiver nenhuma das opções do OpenID.
meu atual é:
http://verbeat.org/blogs/cineclassic/)

Lucas Ramone disse...

Obrigado por avisar, Bia, nem tinha lembrado de liberar os comentários para anônimos, heheheh.

Obrigado por adorar o blog ^^

Abraços.

Anônimo disse...

Pode ser um dos mais controversos, mas o MAIS controverso, certamente não.