domingo, 14 de dezembro de 2008

Acabei de Assistir: Bala de Prata



1976. Assassinatos brutais ocorrem na pacata cidadezinha de Tarker's Mill cada vez que aparece a lua cheia. O jovem Marty Coslaw, que é paralítico, começa a desconfiar que seja obra de um lobisomem. Logo isso se confirma, e Marty tem a oportunidade de ferir o bicho, deixando-o cego de um olho. Agora, junto com sua irmã, Marty deve descobrir uma forma de acabar com o monstro, mas não antes de descobrir quem ele é. Isso não será fácil, já que o lobisomem conhece Marty e fará de tudo para manter seu segredo.

Baseado numa obra de Stephen King e roteirizado pelo mesmo, este filme pertence à "Santa Trindade dos Filmes de Lobisomem", que incluem também o excelente Grito de Horror (The Howling, 1981) e Um Lobisomem Americano em Londres (An American Werewolf in London, 1981 também), que eu ainda não tive oportunidade de assistir, mas tenho ótimas referências.

As aparições do lobisomem são feitas em takes rápidos, na maioria das vezes na escuridão, para poder disfarçar um pouco a caracterização do monstro, que, diga-se de passagem, não é das piores.

Alguns momentos na história ficam na memória de quem assiste pra sempre, como por exemplo a cena de um policial trazendo uma pipa ensangüentada enquanto reza a Ave-Maria. Também merece destaque a cena do primeiro encontro de Marty com o lobisomem, em uma ponte.

Mas com certeza a cena com mais tensão no filme todo é quando os caçadores da cidade ficam presos no mato cheio de neblina com o lobisomem. O suspense é elevadíssimo nessa parte, pois sabemos que a criatura está por perto mas não sabemos quem ele atacará primeiro, muito menos quando e como. Certamente, uma cena para rever muitas vezes.

O filme foi lançado originalmente como Silver Bullet, que virou A Hora do Lobisomem nas versões nacionais de VHS e DVD e também Bala de Prata na televisão. Seja com um título ou com outro, este com certeza é um filme obrigatório na lista de qualquer fã de horror.

domingo, 26 de outubro de 2008

Acabei de Assistir: Sleepaway Camp

Resolvi criar esta sessão "Acabei de Assistir" aqui no blog para falar um pouco sobre os últimos filmes que assisti, sem ter que me empenhar em textos mais pretensiosos, como de costume, hehehe.
O filme que acabei de assistir é Sleepaway Camp, um camp slasher, como o próprio título já sugere.
No filme, um casal de primos, Ricky e Angela, vai passar o verão no Acampamento Arawak. Há oito anos, um pai e seus filhos sofreram um acidente que os vitimou neste mesmo acampamento. Ao chegar no acampamento, Angela se isola de tudo e todos, não fala uma palavra sequer e nem ao menos come. Porém, mortes estranhas começam a acontecer, sabemos somente que um par de mãos as realiza, mas o dono do acampamento, Mel, prefere convencer seus empregados e a todos os outros envolvidos que são só acidentes. Tudo indica que o assassino seja alguém conhecido de todos do acampamento, já que todas as vítimas falam coisas tipo "Ei, o que você está fazendo aqui?". O principal suspeito de Mel é Ricky, até que o filme chega ao seu clímax e descobrimos a verdadeira identidade do assassino.
Muita gente já tinha me falado deste filme, que é um pequeno clássico, tal e tal e tal. Mas pra mim não foi tããão bom assim. Na verdade, acho que de uma escala de zero a dez, este aqui merece um 7. Um bom filme para se divertir, mas não um clássico. A cena final com certeza é o ponto alto do filme, e não vai sair da sua cabeça por um bom tempo após assistir. Eu mesmo confesso que a cena final me deu medo. Sim, puro e simples medo.
Seja como for, é um filme mediano, feito com um orçamento pífio, mas mesmo assim vale uma assistida.

domingo, 19 de outubro de 2008

A Noite dos Mortos Vivos



"They're coming to get you, Barbara!" --Johnny

por Lucas Ramone

Este mês, dia primeiro de outubro, o maior clássico do horror de todos os tempos completou nada mais nada menos que quarenta anos de estréia. Trata-se A Noite dos Mortos-Vivos (Night of The Living Dead, EUA, 1968), o filme que revolucionou a maneira como os zumbis são vistos. Antes, zumbis eram pessoas controladas mentalmente por algum feitiço ou vírus bacteriológico. Após A Noite..., a palavra "morto-vivo" ganhou um significado literal, ou seja, são mortos que voltam à vida para matar os vivos e comer sua carne. O mestre por trás dessa obra-prima é George Romero, que após esse feito tornou-se a principal referência no gênero, sendo fonte de inspiração e influência até hoje.

A história, conhecida por todos e extremamente simples, coloca 8 pessoas trancadas em uma casa de campo tentando sobreviver durante a noite aos incansáveis mortos-vivos que se acumulam ao lado de fora. Claustrofobia, medo, ódio e prepotência são os principais elementos que compõem o cenário, culminando em um desfecho trágico e totalmente inesperado para a época.


O que faz de A Noite dos Mortos-Vivos tão especial? Será a maquiagem detalhada e o sangue exagerado para a época? Ou seria a mágica de ter feito um filme totalmente genial com tão poucos recursos? O fato é que o filme realmente surpreende, e você só percebe isso algum tempo após assisti-lo. Você pensa: "Caramba, naquela época deveria ser um trabalho danado fazer um filme assim, ousado, violento, e com um final fora dos padrões...".
Muito diferentes dos zumbis que invadiriam as produções nas décadas seguintes, os mortos-vivos deste filme são apenas pessoas mortas que ficam cambaleando pra lá e pra cá, à procura de carne humana. O modo de infecção também é diferente: você só se torna um deles se morrer, tanto faz se for mordido ou não. A diferença é que se você for mordido irá morrer mais rápido, principalmente se a mordida atingir alguma veia.



Os personagens também merecem ser destacados. Ben, o herói da história, foi muito bem construído, e realmente passa um ar de liderança, sabendo agir com os imprevistos e controlando os faniquitos de Barbara. Harry Cooper, interpretado pelo também maquiador do filme Karl Hardman, mostra-se um sujeito totalmente despreparado, pensando somente em se esconder no porão, ignorando totalmente a opinião dos demais, tomando atitudes precipitadas e mostrando sua incapacidade de trabalho em equipe.
A verdade é que é muito difícil falar sobre um clássico como A Noite..., pois há muitos pontos positivos a ressaltar, assim como alguns defeitos. Pra mim o maior mérito do filme foi fazer um final tão fora dos padrões, um final que hoje talvez não seja tão inovador, mas que na época com certeza foi algo único. Afinal, já estamos cansados do típico herói lindinho e bundão que salva todo mundo e fica com a garota mais bonita. Com A Noite... foi diferente. No final, todos morrem, tanto os mocinhos quanto os zumbis que rodeavam a casa. Ben é o único que sobrevive à noite toda, só para ser confundido com um morto-vivo e ser atingido no meio da testa com um tiro certeiro.



Mas não pensem que foi fácil realizar um filme tão simples e ao mesmo tempo tão revolucionário. Enquanto o filme era exibido país afora, algo inesperado ocorreu na distribuidora Walter Reade Organization: naquela época, havia uma lei nos Estados Unidos que dizia que todos os filmes deveriam ter uma imagem de direito de cópia (o famoso copyright, conhecido pelo marca ©) abaixo do título. Pois bem, quando o filme estava em poder da Image Tem e seu título era Night of The Flesh Eaters, a marca estava lá, porém quando o filme foi para a Walter Reade e eles exigiram que o título fosse trocado para Night of The Living Dead (para evitar semelhanças e comparações com outra produção da época, Flesh Eaters), a marca foi retirada (talvez esquecida). Resultado: o filme tornou-se de domínio público. Assim, qualquer um pode usar este título como bem entender, distribuí-lo, editá-lo, fazer o que quiser, sem ser punido pela lei. E os pobres produtores não ganham nada com isso.



Mas Romero não parou por aí. Cultuado como mestre e "pai" dos zumbis, ele realizou até hoje outros 4 filmes nessa temática, obtendo estrondoso sucesso comercial e mostrando críticas aos diversos problemas do mundo moderno. Em 1978, dez anos após sua estréia no cinema, Romero realizou "Despertar dos Mortos" (Dawn of The Dead, EUA, 1978), contando com muito mais recursos financeiros e tendo à disposição um consultor de roteiro de primeira linha: o mestre do horror italiano Dario Argento. Sete anos mais tarde, em 1985, chegou a vez de "Dia dos Mortos" (Day of The Dead, EUA, 1985), que não obteve tanto sucesso quanto os anteriores mas mesmo assim merece muita atenção, pois continua sendo obra de George Romero. Vinte anos se passaram, e Romero decide que é hora de voltar às suas origens como "zumbizeiro", lançando "Terra dos Mortos" (Land of The Dead, EUA, 2005), abusando de efeitos de maquiagem aliados à tecnologia das CGIs disponíveis hoje em dia, realizando o filme mais brutal de todos. Enfim, em 2007, George vem com Diary of The Dead, ainda não lançado no Brasil, mostrando os primeiros dias da infecção que mudou o mundo e destruiu o homem.
Por fim, este é A Noite dos Mortos Vivos, um clássico que revolucionou o cinema. Recomendadississíssimo!

Vídeos gore feitos com massinha de modelar

Aqui vão alguns links de uns vídeos que um cara que usa o nick de takena fez. O cara é realmente muito talentoso, conseguiu fazer mágica com massinha de modelar e ainda deixou umas referências a clássicos do horror! Você pode conferir o perfil dele no YouTube clicando aqui.

Sem mais delongas, aqui estão os vídeos:


Bloody Date

Seu primeiro encontro amoroso transforma-se em seu pior pesadelo...


Versão 1


Versão 2


Bloody Night

Uma garotinha indefesa tenta escapar de um asqueroso e faminto monstro durante a noite. O vídeo não possui áudio.


Versão 1


Versão 2


Within The Bloody Woods

Um homem sozinho no meio do mato com mortos vivos famintos por sua carne. O título é uma referência ao filme amador Within The Woods, realizado por Sam Raimi, Bruce Campbell e mais uns amigos para arrecadar fundos para realizar a obra-prima The Evil Dead.


Parte 1


Parte 1 versão alternativa


Parte 2


Battle of Clay

O primeiro vídeo de takena, dá pra ver que tá bem amador, mas mesmo assim é tosco e divertido :)


Parte 1


Parte 1 versão alternativa


Parte 2


Parte 2 versão alternativa



Crazy Clay Wrestling

Infelizmente, ainda não pude assitir :( Mas parece ser bom ^^


Versão 1


Versão 2



Chainsaw Maid

Uma doce e aplicada empregada doméstica deve proteger a família de seu patrão do ataque de ferozes e famintos mortos vivos. Este foi o primeiro que eu vi, e é o mais divulgado na internet.


Clique aqui para assistir


Clique aqui para ver um trailer das animações.

sábado, 21 de junho de 2008

Cannibal Holocaust




"Não feche os olhos, veja! Eles são homens, homens como você!"

por Lucas Ramone

Junte um grupo de jovens cineastas, uma expedição à Amazônia, duas tribos canibais, efeitos de maquiagem ultra-realísticos e voilá: você terá em mãos o maior clássico do gore mundial. Este é Cannibal Holocaust (Itália, 1979), a obra prima do canibalismo dirigida por Ruggero Deodato.Filmada como se fosse um documentário verdadeiro, a obra é considerada o filme mais controverso de todos os tempos, e ainda há gente que assiste pensando se tratar de um snuff movie (película em que os atores são mortos de verdade, em frente às câmeras).



A história, por mais simples que pareça, é provavelmente a mais complicada trama sobre canibalismo já feita em solo italiano. Um grupo de quatro jovens cineastas americanos vão à floresta amazônica ( o "Inferno Verde") com a intenção de realizar um documentário que choque as pessoas, ou seja, um "shockumentary", para mostrar ao mundo a realidade dos índios que se escondem por aquelas bandas. Junto do guia Felipe, eles se embrenham cada vez mais na mata, desaparecendo em questão de dias. O professor Harold Monroe (Robert Kerman) resolve por si só ir atrás dos garotos, na tentativa de encontrá-los, e parte para a floresta. Acompanhado de um militar e um índio civilizado, o professor Monroe passa por experiências que testam seus limites de ser humano, e consegue finalmente encontrar os rolos de filme. Ao voltar para Nova York, o filme é revelado, assim como o destino dos quatro jovens documentaristas...



Usando e abusando dos efeitos de maquiagem, este filme nunca foi e com certeza nunca será lançado no Brasil. Se você ouve falar demais de um filme, fica com suas expectativas lá em cima, e quando assiste, se decepciona por não ser EXATAMENTE como você imaginava. Porém, há uma exceção a essa regra, e ela se chama Cannibal Holocaust. Não há como ficar impassível vendo este filme, seja pelas mais do que realistas cenas de canibalismo, ou pelas inúmeras crueldades contra animais que ocorrem durante a projeção. Você fica tenso, o sangue ferve e no final, você tem a certeza que nunca, mas NUNCA mesmo, teria coragem de entrar na floresta da região amazônica.



Na epóca em que foi lançado, o filme foi imediatamente retirado das salas de projeção, pois muitas pessoas saíam vomitando, com dores de estômago, traumas e até desmaiadas. O diretor Ruggero Deodato teve que se explicar às autoridades sobre as mortes ocorridas no filme. Para provar que o filme é uma farsa, Deodato foi a vários programas de alta audiência no mundo todo, juntamente de todo o elenco do filme, para provar que estavam vivos e bem, pois o sumiço deles após o fim das filmagens ajudou na polêmica. Como eu disse anteriormente, ainda hoje há gente que vê o filme achando se tratar de material verídico, sem saber de toda a farsa.
Bom, eu não poderia escrever toda esta resenha sem falar UMA ceninha do filme ;). Então leia o próximo parágrafo por sua própria conta e risco, pois pode estragar a surpresa de quem não viu ainda.
*SPOILER*
Ao chegar próximo a um rio, o professor Monroe e seus companheiros presenciam um ritual típico dos índios: um índio chega à praia numa canoa, junto de uma mulher totalmente embarrada e desesperada. Ele arrasta a mulher para a terra, e com uma esécie de cunha ou sei lá o quê, estupra a mulher, fazendo-a sangrar intensamente. Em seguida, bate em sua cabeça com força, até que ela repentinamente para de gritar. Já não vive mais.
*FIM DO SPOILER*



E pensar que lá atrás, lá nos anos 50, os cineastas tentavam (e muitas vezes conseguiam) assustar o público com alienígenas, animais gigantes e outras aberrações. Heheheh. Mesmo ficando com medo daquelas colossais formigas assassinas, o povo sabia que era praticamente impossível algo daquele jeito um dia acontecer. Já com Cannibal Holocaust não é a mesma coisa. São seres humanos como eu e você matando e devorando seres humanos como eu e você. Confesso que muitas vezes duvidei do povo da internet, que sempre elogiava este filme, dizendo ser a mais brutal obra de todos os tempos. Quando coloquei o filme pra rodar, já fui pensando: "...lá vem mais decepção com tripas de borracha falsa...". Porém, me surpreendi, e muito. E com certeza você também se surpreenderá, caso ainda não tenha visto o filme.


sábado, 14 de junho de 2008

30 Dias de Noite



"Levamos séculos para fazer com que acreditassem que somos um pesadelo. Não podemos dar uma razão para que suspeitem. Destruam todos" --Marlow

por Lucas Ramone

Esta semana assisti a um lançamento nas locadoras, o vampírico 30 Dias de Noite (30 Days of Night, EUA, 2007), que estreou nos cinemas brasileiros no fim do ano passado. O filme se passa na pequena cidade no Alasca. Uma curiosidade desta cidade é que, durante o inverno, o Sol não aparece durante 30 dias, deixando a cidade na mais completa escuridão! Isso faz com mais da metade da população saia de férias, para não ter que ficar no escuro. Porém, algo estranho está acontecendo este ano. Cães aparecem mortos, pessoas desaparecem e um estranho surge na lancheria da cidade, arrumando encrenca. Logo, o xerife Eben Oleson (Josh Hartnett, de Sin City e Xeque-Mate), descobre a verdade por trás desses crimes: a cidade está sendo atacada por um grupo de violentos vampiros, que se aproveitam da escuridão total para atacar os moradores. Junto de um pequeno grupo de sobreviventes, entre eles seu irmão e sua ex-mulher, Eben terá que se defender com unhas e dentes da horda voivode que aumenta cada vez mais.
Baseado em uma série de HQs americanas, o filme usa e abusa de efeitos visuais sangrentos. Decapitações que NÃO se dão com apenas um golpe são a principal característica do filme. Algumas off-screen, é verdade, mas nada que algumas mais violentas on-screen não amenizem. A língua que os vampiros falam (pelo menos na versão legendada que eu assisti eles não falam inglês) é bem estranha e até inovadora, pelo menos se comparada aos filmes da série Blade, em que os vampiros falam tanto o nosso idioma quanto o deles. Como sempre, há um vampiro-chefe, cujo nome não é citado, e sua fêmea, igualmente anônima e mais feia do que o próprio. Os efeitos de maquiagem aplicados nos vampiros são outro destaque: olhos negros, estilo alienígena, e dentes minúsculos e numerosos. Cada vampiros é diferente, e fica fácil identificá-los após um tempo.
Porém, como já era de se esperar, na minha incessante busca por mensagens subliminares (coisa que faço em QUALQUER filme), prestando bem atenção nos detalhes, percebi dois erros de continuidade na película, e acho que não farei mal em contá-los aqui. Mas caso você não queira saber absolutamente nada sobre o filme, não leia os próximos dois parágrafos.
1°: Há uma cena em que o Xerife e sua ex estão juntos no canto de um cômodo. A câmera dá um close no rosto da mulher e quando volta para a câmera naterior, o rosto dela está em uma posição completamente diferente, coisa que não poderia ser humanamente possível em 1 segundo apenas.
2°: Quando os sobreviventes são atacados por um vampiro careca na cena final, eles o matam. Já quando Eben se confronta com o líder dos vampiros, o mesmo vampiro careca pode ser visto várias vezes junto com os outros vampiros.
Entre muitas virtudes e poucos defeitos, este é 30 Dias de Noite, filme que eu recomendo não só a fãs de vampirismo, como aos fãs do cinema de horror em geral, pois é um ótimo filme, desde que não se espere um Drácula de Bram Stoker da vida. Falando nisso, esse é o melhor filme de vampiros que apareceu por aqui nos últimos 10 anos, desde que o mestre John Carpenter escreveu e dirigiu o ótimo Vampiros de John Carpenter (John Carpenter's Vampires, EUA, 1998), que rendeu uma sequência bastarda (não, ela não foi feita por Bruno Mattei nem por qualquer outro italiano) em 2003, chamada Vampiros: Os Mortos, estrelada pelo anêmico músico Jon Bon Jovi. Passe longe!

domingo, 8 de junho de 2008

A Profecia


Quando os judeus voltarem a Sião...

E um cometa preencher o céu...

E o Santo Império Romano se levantar...

Então eu e você morreremos.

Do Mar Eterno ele se levanta...

Criando exércitos em cada praia...

Virando cada homem contra o seu irmão...

Até que o homem

Não mais exista!


por Lucas Ramone

Em 1974, o então desconhecido escritor David Seltzer estudou o livro bíblico do Apocalipse (também conhecido como Livro das Revelações) e lançou seu primeiro livro, o qual batizou de The Omen (A Profecia, no Brasil). O livro descrevia a vinda do Anticristo na forma de um pequeno e aparentemente inocente menino. Foi um enorme sucesso de vendas, e até hoje é relançado por diversas editoras no mundo todo. Com um sucesso desse porte, era inevitável uma adaptação às telas do romance. Dois anos depois essa profecia (heheheh) se cumpriu, e foi lançado o filme A Profecia (The Omen), dirigido por Richard Donner e estrelando Gregory Peck e Lee Remick. A película foi estrondoso sucesso, e até hoje é considerado (e com certeza sempre será) o maior clássico apocalíptico de todos os tempos.




O filme começa com um senhor chamado Robert Thorn (Peck) indo em direção ao Hospitalli Generalli de Roma, pois seu filho está nascendo. Porém Thorn descobre que seu filho nasceu morto, e para não chocar sua esposa com essa terrível notícia, decide seguir o conselho do misterioso Padre Spilletto e adota um menino órfão, que batiza de Damien. O que ele não sabe é que essa criança é, na verdade, o Anticristo, ou seja, o filho do Diabo! Após o aniversário de 5 anos de Damien, coisas bizarras e sinistras começam a acontecer: um cão misterioso começa a rondar a casa dos Thorn e sua nova babá comporta-se de forma cada vez mais estranha. Robert logo percebe que algo não está certo e, junto do fotógrafo Keith Jennings (David Warner, ótimo), resolve juntar as peças do quebra-cabeça e resolver esse mistério, ao mesmo tempo em que deve proteger a vida de sua mulher e a sua própria.

Bom, por onde começar falando quando o filme é A Profecia? Simplesmente um filme genial, pouquíssimos defeitos, e enormes virtudes. Aliás, “defeito” seria uma palavra errada para definir, acho que “erro” ou (de uma forma mais pomposa) “gafe”, pois as únicas falhas que encontrei neste filme maravilhoso são pequenos descuidos de continuidades, coisas mínimas que só os mais atentos perceberão.



Uma coisa que se percebe com clareza nesse filme é o recurso de close nos olhos dos personagens, em especial Gregory Peck mais pro final. Tanto em momentos de angústia, suspense ou emoção, como em momentos de pânico, tensão e puro terror, os olhos são sempre focados como sinalizadores das emoções dos personagens. Várias ótimas tomadas dos closes acompanhadas pela não menos importante trilha sonora.

Ah, a música. Como esquecer dela? Isso é simplesmente impossível, a orquestra redigida por Jerry Goldsmith, perfeita em todos os seus acordes, prende a atenção do espectador a qualquer cena que estiver passando, fazendo-o sentir na pele o que é o ser perseguido pelo Mal.

As mortes, também, são magníficas. As gerações mais atuais poderão talvez encontrar semelhança nas mortes da série Premonição (Final Destination), mas o fato é que as mortes em A Profecia marcam. Você realmente não desconfiaria de um caminhão carregado de janelas de vidro, ou de um simpático padre italiano com sobrancelhas da mesma espessura do Canal da Mancha. Simplesmente não há como esquecer as mortes que acontecem neste filme. Você fica marcado para sempre.




A Profecia teve 2 seqüências diretas e uma totalmente diferente das demais (que eu ainda não vi), além de um remake deste primeiro, realizado pela própria Fox em 2006, não obtendo nem metade do êxito do original. Os quatro originais foram lançados em VHS no Brasil pela Fox, se não me engano, e relançados em DVD em 2001 (Edição de Aniversário - 25 Anos) e em 2006(Edição Especial – Aniversário de 30 Anos), num box especial lindíssimo. O remake também foi lançado normalmente nos cinemas por aqui em 2006. O livro foi lançado no Brasil pela primeira vez em 1974, pelo Círculo do Livro, numa versão com capa dura, contendo na capa Damien caminhando sobre umas ruínas e alguns cães demoníacos acompanhando-o.

À data desta resenha, eu já havia visto os filmes nesta ordem: primeiro o livro, depois o remake, o original, a parte III e então a parte II, e digo com louvor que esta primeira é, de longe, a melhor parte da trilogia de quatro partes. Então é isso, fica a sugestão para o filme, um verdadeiro clássico não só do horror, como também de todo o cinema em geral, tendo gerado incontáveis imitações que até hoje tentam, sem sucesso, repetir o mega-sucesso que este foi.

Até a próxima, meus amigos!



-DOWNLOAD-

Formato: AVI
Idioma: Inglês (legenda não embutida)
Tamanho: 702MB
Fornecedor: Megaupload

Clique aqui para baixar o filme

Clique aqui para baixar a legenda

Para colocar a legenda no filme, apenas salve ambos com o mesmo nome e na mesma pasta,
Exemplo: "filme.AVI" e "filme.srt"

Evil Dead II - Dead By Dawn



"A lenda diz que foi escrito pelos seres das trevas.
Necronomicon Ex Mortis
Traduzido literalmente: O Livro dos Mortos
Encadernado em couro humano e escrito a sangue,
Esse livro serviu como uma passagem para o mal do outro mundo
Foi escrito há muito tempo...
Quando os mares eram feitos de sangue

E foi esse sangue que serviu como tinta para escrever o livro
No ano de 1300 de nossa era, o livro desapareceu.”



por Lucas Ramone

Como fazer uma continuação para o maior clássico do splatter de todos os tempos? A resposta é repetir a história. Repetir tudo o que aconteceu e funcionou no primeiro e tentar algo não melhor, mas que pelo menos se equipare ao original. Foi assim que o outrora cineasta referência no horror Sam Raimi escreveu e dirigiu Uma Noite Alucinante 2 (Evil Dead II – Dead By Dawn), seqüência-parecia-com-remake do insuperável clássico A Morte do Demônio (The Evil Dead, 1982) em 1987. A história é basicamente a mesma, só mudando o número de personagens e a forma como eles se conhecem: Ash (interpretado pelo meu ídolo-mor Bruce Campbell), um pacato vendedor de uma cidade normal como tantas outras, fica sabendo de uma cabana abandonada no meio das montanhas do Tenessee, e resolve levar sua namorada Linda para um fim-de-semana longe da barulheira da cidade. Mal sabe ele que aquele chalé isolado do mundo pertence ao Professor Raymond Knowby, um estudioso que recentemente encontrou sua mais valiosa relíquia:o Necronomicon Ex Mortis, também conhecido como O Livro dos Mortos. Ao chegar à cabana com sua amada, Ash encontra um gravador com uma fita feita pelo próprio Prof. Knowby, relatando sua descoberta e declamando alguns feitiços que ele havia traduzido do livro. Para o azar de Ash, esses feitiços servem para invocar espíritos malignos, que, uma vez no nosso plano, obtém o poder de possuir os vivos.Ele descobre isso da pior maneira possível, perdendo sua querida Linda para os demônios em questão de minutos. Armado uma motosserra e um rifle de caça, Ash decide se proteger com unhas e dentes dos ataques dos espíritos das trevas, que tentarão a todo custo aniquilar nosso herói. Conseguirá ele passar por mais essa noite alucinante?



A principal diferença deste para o primeiro o filme é a presença do humor em certas cenas. Isso poder pode ser percebido em várias partes do filme, como na cena em que uma mão decepada levanta o dedo médio para Ash, ou ainda o desagradável encontro de um olho com uma boca aberta. A cena em que Ash ri histericamente enquanto vê os objetos da sala rirem dele é a prova de que Raimi ainda sabe o que está fazendo. Uma cena ao mesmo tempo hilária e assustadora. Acredito que uns dos fatores que levaram o diretor a apelar para essa fórmula “terrir” foi o aumento considerável aumento do orçamento, cujo valor não me recordo agora, mas sei que é mais do que o dobro do anterior. O uso de efeitos especiais é outra novidade, porém não são tão “especiais” assim. Na verdade, não passam da técnica do stop-motion, que virou febre nos anos 50, agora utilizado 30 anos depois! As cenas que se utilizam de tais efeitos são hilárias, e você tem que ser muito fã mesmo para não se mijar rindo da tosqueira braba que é.



Um ponto negativo que apareceu nesta seqüência foram as mortes suavizadas, bem diferente as sangreira que foi o primeiro. Reza a lenda que há uma versão on-screen para a cena em que Ash esquarteja Ed com um machado, fazendo-o espirrar sangue vermelho, ao invés daquele suco verde da versão oficial.
Mas mesmo com todos esses defeitos, esse com certeza é um dos melhores filmes de horror que existem, e você TEM que assistir! Foi lançado no Brasil em 1987, antes mesmo do original chegar por aqui (WTF?!?!?), recebendo o título de "Uma Noite Alucinante 2", obrigando o original a receber o quilométrico título de "The Evil Dead - A Morte do Demônio - Uma Noite Alucinante 1: Como Tudo Começou" (é mais ou menos isso). Há algum tempo recebeu uma versão em DVD, com alguns extras e até mesmo opção de dublagem em português (coisa rara MESMO em se tratando de filmes antigos), tendo seu título modificado para apenas "Uma Noite Alucinante". Há ainda uma terceira parte, Army of Darkness, lançado por aqui como Uma Noite Alucinante 3, voltado mais para o lado aventura, mas sem perder alguns toques macabros.


-DOWNLOAD-

Formato: RMVB
Tamanho: 293MB
Idioma: Inglês (legendado)
Fornecedor: Megaupload

Clique aqui para baixar

sábado, 7 de junho de 2008

A Procura da Felicidade



Por Lucas Ramone

Você é realmente feliz? Quanto vale a felicidade daqueles que você ama? Você estaria disposto a sacrificar seu conforto em nome da felicidade daqueles que você ama? É esse o questionamento que o filme A Procura da Felicidade (The Pursuit of Hapiness, EUA, 2007), filme que conta o drama de Chris (Will Smith), um simpático vendedor que tem uma relação conturbada com a esposa. Ele tenta sempre dar de tudo o melhor para sua família, mas as vendas não estão rendendo, e ele precisa encontrar outro emprego para sustentá-la. É então que ele conhece um corretor da bolsa de valores de Nova York. Chris percebe que ele é plenamente sustentável, e decide então se esforçar para conseguir um emprego na bolsa, e, finalmente, alcançar a tão sonhada felicidade ao lado de seu pequeno filho, já que sua esposa o abandonou. Será que ele consegue?

Uma coisa que se percebe quando se assiste a esse filme é o quanto ele é real. Assuntos como desemprego, estrutura familiar e principalmente felicidade são profundamente abordados. Penso que esses assuntos estão em alta desde o princípio da humanidade civilizada. Sempre onde há alguém se sentindo feliz por ter conseguido tanto dinheiro em tão pouco tempo, há também outros desesperados em tentar administrar a mixaria que ganham em uma vida inteira. A esses resta a esperança de um emprego melhor, mas aí entra a questão da oportunidade, pois nem todos que precisam podem tentar um estágio, como o protagonista do filme. Há pessoas tímidas, há pessoas depressivas, há pessoas que acham que nunca serão nada na vida. E se não se derem por conta que tudo só depende delas mesmas, nunca serão nada mesmo, nem nunca chegarão a lugar algum.

O que falta a estas pessoas é a perseverança e a força de vontade. Ora, se nunca tentarem nada, é óbvio que nunca conseguirão nada. E o protagonista, mesmo sendo negro (algo que já deixa as pessoas desconfiadas, e subconscientemente, preconceituosas desde o início) e de origem humilde, nunca desistiu de seus ideais, nunca desistiu de tentar um emprego e melhorar sua vida e a de seu filho, além de garantir um futuro decente para ele. Concluo, a partir disso, que a principal mensagem do filme é não desista de si mesmo, não se deixe abater por qualquer bobagem, ou seja, é uma mensagem positiva que deixa o espectador psicologicamente mais aliviado e mais preparado para tentar enfrentar o futuro que a todos espera (pelo menos foi isso que aconteceu comigo após terminar de ver o filme x] ).

Outra importante mensagem que o filme passa é a da dignidade. Mesmo que você esteja dormindo num banheiro público, ou sendo preso por não pagar multas de trânsito, nunca perca sua dignidade. Este é um dos bens mais preciosos que o ser humano possui. Não devemos degradá-la de forma alguma. Veja bem, se você não tiver dignidade alguma, quem se importará com você? Quem falará com você? Uma pessoa indigna simplesmente não tem razão de ser, viver ou existir. Sua dignidade vale muito, cuide bem dela.

Bom, é basicamente isso. Esse filme tem muitos detalhes, e eu não ficarei aqui contando tudo tintim por tintim. Alugue, compre, pegue emprestado, de qualquer jeito, consiga este filme e assista-o, garanto que será uma experiência única, e olha que nem é bem o meu estilo falar bem de dramas.


Até outra hora! o/



P.S.: Esse texto foi originalmente feito como análise crítica para um trabalho escolar de Literatura que eu fiz essa semana. Nada foi removido, inserido ou alterado de qualquer forma desde então.

-DOWNLOAD-

Formato: RMVB
Idioma: Inglês (legendado)
Tamanho: 382MB
Fornecedor: Megaupload

Clique aqui para baixar

sábado, 31 de maio de 2008

Fome Animal



Por Yuri Oliveira
Edição de texto: Lucas Ramone

Com Certeza Braindead ou Dead-alive (Com a tradução Fome Animal Para o Brasil) sempre estará incluído entre os grandes clássicos do filme trash, apesar de ser mais novo do que a maioria das obras do horror oitentista, não deixa a desejar com suas cenas nauseantes, seu enredo fascinante e seus protagonistas pra lá de peculiares. Segunda obra cinematográfica de Peter Jackson! Sim! Ele mesmo, o diretor da trilogia Senhor dos Anéis e King Kong (2005)! Sendo a sua primeira criação um clássico! "Trash - Náusea Total" de 1987, sua primeira grande criação. Voltemos ao nosso foco, Fome Animal!



Contra indicado a todas as pessoas que são fracas de estômago e que não aguentam ver sangue, vísceras, pus, sangue, carne, sangue, tripas, eu já citei o sangue? Indicado para todos os fãs do Cine Gore! Para os que adoram filmes de terror sanguinolento, um grande filme que não pode ficar fora do currículo de qualquer cinéfilo! Em resumo, a história do filme começa com uma expedição um pouco estranha por Sumatra, onde um suposto traficante de animais rouba um bichinho nada carismático, o famoso macaco-rato (?). O animalzinho é enviado para a pequena cidade de Wellington, Nova Zelândia. Na cidade, vemos a vida do nosso "herói", Lionel, que é explorado por sua velha mãe, Vera. Lá pelas tantas, Vera é mordida pelo nosso mascote (sim, ele mesmo, o tal do macaco-rato) enquanto espiava Lionel no Zoológico, que por sua vez se encontrava com sua nova namorada, Paquita, uma latina bem corajosa!
Geralmente uma mordida de macaco só iria doer um pouco, mas não se esqueçam que ele é o macaco-rato, e a mordida dele tem uma reação um pouco estranha: te transforma em um zumbi!!! E é isso que acontece com Vera! Lionel, com um bom filho, resolve continuar cuidando de sua pobre mãe em um porão, amarrada, tentando inutilmente controlá-la! E por ai vai, de modo imprevisível, pessoas sendo mordidas, um cachorro que serve de comida, um padre carateca (!) que luta "em nome de Deus"(!!), um tio Rock-a-Billy safado, um bebê zumbi (!!!) e um amuleto da sorte que decidira o final dessa incrível história!!! Enfim, um amontoado de bizarrices que torna a trama Incrivelmente Fascinante e Imperdível! Aconselhado a todos os amantes de clássicos de Terror! Boa Degustação!!!




Fome Animal (Braindead/Dead-Alive, Nova Zelândia, 1992, 104 minutos)
Direção: Peter Jackson
Roteiro: Peter Jackson, Peter Sinclair, Fran Walsh
Produção: Jim Booth
Música: Peter Dasent
Fotografia: Murray Milne
Edição: Jamie Selkirk
Direção de Arte: Ed Mulholand
Desenho de Produção: Kevin Leonard-Jones
Elenco: Timothy Balme (Lionel); Diana Peñalver (Paquita); Ian Watkin (Tio Les); Elizabeth Moody (Mãe do Lionel)


-DOWNLOAD-

Idioma: Inglês (legendado)
Formato: RMVB
Tamanho: 333MB
Fornecedor: RapidShare

Parte I
Parte II
Parte III
Parte IV

domingo, 20 de abril de 2008

Mortal Kombat



No início da década de 90, os jogos de luta se resumiam basicamente em Street Fighter e Fatal Fury. Eram jogos desenhados à mão, para pessoas de todas as idades, mas que agradavam principalmente aos mais jovens. Os personagens eram bem típicos de um anime: o mocinho, o vilão, os amigos e os comparsas. A violência era praticamente nula, bem diferente de como é hoje em dia. Os poderes especiais eram bolas brilhantes feitas sabe-se lá do quê que saíam das mãos dos lutadores e atingiam os oponentes. Tudo feito de uma maneira que não parecesse real para não influenciar pessoas de mentes fracas. Porém, dois amigos, John Tobias e Ed Boon, perceberam que esta irrealidade na verdade não tinha graça, porque simplesmente não dava pra acreditar que aquele lutador de Sumo gorducho conseguia mover as mãos mais rápido do que os olhos podiam acompanhar. Então, aliados ao estúdio Midway e à distribuidora Acclaim, lançaram, em 1992, o game Mortal Kombat, hoje conhecido por dez entre dez jogadores.

Com uma história aparentemente simples, poucos personagens e gráficos simples, o jogo era a idéia de diversão da dupla, com litros de sangue para cada soco recebido de um oponente. O que mais chamava a atenção e que fazia o jogo se diferenciar era a opção de matar mesmo o oponente, ou seja, não simplesmente bater nele até sua energia se esgotar, mas utilizar uma seqüência de comandos simples que fariam seu combatente matar o adversário de uma forma violenta. Essa forma de eliminação era conhecida como “Fatality”, e é marca registrada da série. Cada personagem possuía um Fatality diferente, o que aumentava ainda mais a diversidade do game. O jogo não era perfeito, claro, mas divertia, e naquela época era isso que importava em um jogo.A história do jogo é a seguinte:

O Mortal Kombat é um torneio que reúne lutadores das mais diversas realidades. Aliado ao príncipe dos Shokan (uma raça de meio-homens, meio-dragões com quatro braços) Goro, o maligno feiticeiro Shang Tsung vem vencendo o torneio por nove gerações seguidas. Devido a esse fato, o torneio é realizado em sua ilha, chamada Shimura Island, localizada no centro do Lost Sea. Caso ele vença mais um torneio, terá o direito de governar sobre todas as realidades. Para defender o lado da humanidade e garantir a prevalência do bem sobre o mal, existe Rayden, o Deus do Trovão, que convoca três lutadores da Terra para lutar no torneio: o monge shaolin Liu Kang, a agente da Special Forces americana Sonya Blade, e o astro de Holywood Johnny Cage. Mas Shang Tsung tamém convocou alguns guerreiros para garantir o seu lado: o ninja Scorpion, o Lin Kuei Sub Zero, e o criminoso mais procurado da Terra, Kano . Cada um possui suas próprias características, e deverão usá-las da melhor forma para vencer o torneio.

O jogo rendeu um filme realizado pela New Line em 1996, estrelando por Christopher Lambert como Lord Rayden, uma seqüência, “Mortal Kombat: A Aniquilação” (Mortal Kombat: Annihillation, 1999), uma série live-action chamada “Mortal Kombat: A Conquista”, que foi exibida durante algum tempo no Brasil pelo SBT, e até um desenho, “Mortal Kombat: Defenders of The Realm”, cujo primeiro episódio foi lançado em VHS no Brasil pela Top Tape com o título “Mortal Kombat – Animação”, e mais alguns episódios foram exibidos na TV aberta pela Rede Record. Claro que o jogo não rendeu só coisas boas. Vários processos foram registrados contra Boon e Tobias, culpando o jogo por atitudes violentas que adolescentes e crianças tinham após jogar. Até hoje há muita gente que acredita que jogos como Mortal Kombat instigam s pessoas a cometer atos violentos. Pois é, as pessoas falam isso de uma série de jogos que faz sucesso há 16 anos, mas nem ligam para aquele rato que insiste em torturar um pobre gato que só quer devorá-lo há mais de 25 anos. Nem ligam para uma certa ave de cabeça vermelha que insiste em infernizar a vida de todos que encontra pelo caminho, utilizando para isso bombas, canhões, tanques e outras armas de fogo. Pois é... as pessoas só falam mal do que elas querem que seja errado, não do que realmente o é.Bom, voltando ao assunto principal: não demorou para o game gerar vários bastardinhos, ou seja, jogos que copiaram a fórmula do Fatality, mas não tiveram o mesmo sucesso. Alguns até que ficaram bem legais, como Killer Instinct, produzido pela extinta Rare Ware para os consoles Nintendo, e Primal Rage, também da Rare, cujos personagens eram dinossauros e símios gigantes. Outros simplesmente não têm razão de existir, como WeaponLord, lançado para Super Nintendo. Mas nenhum se igualou nem nunca se igualará a Mortal Kombat, que com certeza é o Cidadão Kane dos jogos de luta.O jogo fez brotar ainda seis continuações oficiais, além de vários outros jogos fora da cronologia oficial.

Abaixo segue uma lista dos personagens, dicas e truques, a listagem oficial de todos os jogos da série, e um link para o Download do jogo.

Legenda:

“F”= Para Frente “B”= Para Baixo “C”= Para Cima “T”= Para Trás

“SA”= Soco Alto “SB”= Soco Baixo “CA”= Chute Alto “CB”= Chute Baixo”“BL”= Defesa

GLITCH – Falha do jogo que pode ser feita sem prejudicar nada

Liu Kang

Fireball: F, F, SA

Flying Kick: F, F, CA

Fatality:Uppercut Cartwheel – Aperte e segure BL a uma distância média do oponente, então faça uma volta reversa de 360° (Mais ou menos assim: F, C, T, B,....até conseguir)

DICA: Faça esse Fatality na arena “The Pit”. Garanto que você vai gostar mais.

Johnny Cage

Green Projectile: T, F, SB

Shadow Kick: T, F, CB

Groin Punch: SB + BL

Fatality:Decap Punch – F, F, F, SA (perto)

GLITCH: Se você fizer a mesma seqüência duas vezes, Johnny vai arrancar DUAS cabeças do inimigo. Isso mesmo, é só você fazer a seqüência e logo depois repeti-la. É meio difícil, mas o resultado é legal.

Scorpion

Spear: T, T, SB

Teleport Punch: B, T, SA

Fatality:TOASTY! – Segure BL a uma distância média, e aperte C duas vezes.

Sub Zero

Freezing Ball: B, F, SB

Slide: SB + CB + BL

Fatality:Back-Bone Decap – F, B, F, SA (perto)GLITCH: Ah, esse é o meu favorito! Quando restar apenas um golpe para matar o oponente, dê uma rasteira nele (T + CB) e imediatamente congele-o (B, F, SB). Ele entrará em “Finish Him / Her”, Faça o Fatality normalmente. Resultado: seu oponente, além de ser “Fatalityzado”, ficará congelado!

Sonya Blade

Energy Rings: T, T, SB

Headstand: SB + CB + BL

Flying Punch: F, T, SA

Fatality:Flaming Kiss – F, F, T, T, BL (perto)

Rayden

Sparkle: B, F, SB

Torpedo: T, T, F

Teleport: B, C

Fatality:Head Electrocution – F, T, T, T, SA

GLITCH: Na versão de Arcade do jogo, se você fizesse um Torpedo (T, T, F) logo após o Fatality, Rayden empurrava o cadáver do oponente até o canto da tela. Nunca funcionou na minha versão para PC, mas tente, quem sabe funciona pra você.

Kano

Knife Projectile: Segure BL e aperte T, F

Cannonball: Volta completa no direcional, começando por F

GLITCH: Se você segurar BL ao fazer este golpe, Kano vai girar, mas não vai sair do lugar!

Fatality:Heart Tear – T, B, F, SB



Jogos da Série

Mortal Kombat (1992) Plataformas: Super NES, Mega Drive, Amiga, Game Gear, Game Boy, Sega Master System, MS-DOS, PlayStation 2 e Xbox (com Mortal Kombat: Deception Premium Pack), PSP (em Midway Arcade Treasures: Extended Play), Telefone celular

Mortal Kombat II (1993) Plataformas: SNES, Game Boy, Sega Saturn, Sega 32X, Sega Mega Drive, Sega Game Gear, Sega Master System, PlayStation, PC, Amiga

Mortal Kombat 3 (1995) Plataformas: Super Nintendo, Sega Mega Drive, Game Boy, Sega Game Gear, Sega Master System, PlayStation, PC

Ultimate Mortal Kombat 3 (1996) Plataformas: Super NES, Sega Mega Drive, Sega Saturn, no Xbox Live Arcade do Xbox 360, e na versão de luxo de Mortal Kombat: Armageddon para PS2 e Xbox

Mortal Kombat Trilogy (1996) Plataformas: Nintendo 64, PC, PlayStation, Saturn

Mortal Kombat Mythologies: Sub Zero (1997) Plataformas: PlayStation

Mortal Kombat 4 (1997) Plataformas: PlayStation, Nintendo 64, PC, Game Boy Color

Mortal Kombat Gold (1998) Plataformas: DreamCast

Mortal Kombat Special Forces (1998) Plataformas: PlayStation

Mortal Kombat V: Deadly Alliance (2002) Plataformas: PlayStation 2, Nintendo GameCube, Xbox e Game Boy Advance

Mortal Kombat Deception (2005) Plataformas: PlayStation 2, XBox e GameCube

Mortal Kombat Shaolin Monks (2005) Plataformas: PlayStation 2, XBox, Nintendo GameCube

Mortal Kombat Armageddon (2006) Plataformas: PlayStation 2, XBox e Nintendo Wii



Dowload do Jogo

Fornecedor: RapidShare

Tamanho: 6,90 MB aproximadamente

Formato: .rar

Clique Aqui Para Baixar o Jogo

sábado, 19 de abril de 2008

Halloween H20 – Vinte Anos Depois

Por Lucas Ramone

Eu o conheci há 15 anos.
Disseram que não havia nada: razão, consciência, entendimento...
Nem a mais rudimentar noção de vida ou morte, bem ou mal, certo ou errado.
Conheci essa criança de seis anos, de rosto vazio, pálido, sem emoção.
E olhos negros.
Os olhos do Diabo.
Passei oito anos tentando chegar até ele, e mais sete tentando mantê-lo preso...
Porque percebi que atrás daqueles olhos havia pura e simplesmente
O Mal
.”

--Dr. Sam Loomis, Halloween, 1978

Em 1978 o gênio do horror John Carpenter nos horrorizou com seu clássico Halloween, A Noite do Terror, contando a história de Michael Myers, que aos 6 anos matou sua irmã mais velha a facadas na noite do Halloween, em 1963. Ele foi internado em uma clínica psiquiátrica e deixado aos cuidados do Dr. Sam Loomis (Donald Pleasence). Porém, 15 anos mais tarde, Michael foge da clínica e volta para sua cidade natal, Haddonfield, no estado americano de Illinois. Na noite de Halloween de 1978, Michael matou três adolescentes e perseguiu insanamente a jovem Laurie Strode (Jamie Lee Curtis). E ele quase a pegou, não fosse a intervenção do Dr. Loomis, que atirou nele várias vezes e o derrubou de uma sacada.
Quatro anos depois, Carpenter resolveu continuar a história com Halloween II – O Pesadelo Continua, deixando a direção para Rick Rosenthal (que em 2002 viria a dirigir o fiasco Halloween Ressurreição). Neste filme, que começa no exato momento em que o primeiro acabou, um acidente de carro faz a polícia pensar que Michael Myers está morto, quando na verdade ele está num hospital da cidade, ainda atrás de Laurie Strode. Aqui percebemos que Michael já mudou um pouco de um filme para o outro, assumindo uma postura mais fria e matando todos que encontra pelo caminho sem nenhum remorso. Também descobrimos o porquê dele seguir Laurie Strode: ela é, na verdade, irmã do psicopata. No final, Michael e o Dr. Loomis são queimados completamente numa explosão, e Michael é dado como morto.
Em Halloween H20 – Vinte Anos Depois (Halloween H20, 1998), Jamie Lee Curtis quis prestar uma homenagem à série, que já estava com seis capítulos. 20 anos depois do massacre em Haddonfield e da suposta morte de Michael Myers, no dia 29 de outubro de 1998, dois jovens e uma senhora são assassinados misteriosamente em uma cidade próxima a Haddonfield. A tal senhora cuidou do Dr. Loomis até a morte deste (na verdade, ele não está no filme porque Donald Pleasence veio a falecer alguns anos antes do filme ser realizado), e alguns papéis sobre Laurie Strode são roubados. Segue então a abertura com os créditos e a narração feita pelo Dr. Loomis sobre Michael, retirada do filme original, que você pode conferir no início deste texto. Aparecem recortes de jornais relatando o crime de 1978, alguns desenhos, e a cena termina dando um close nos olhos de Michael em um desenho. Corta para uma cena numa sala de aula vazia, onde a câmera acompanha o olhar de alguém que parece ser Michael Myers. A câmera-olhar vai até um closet e (re)vemos uma cena do primeiro filme, onde Laurie está trancada num closet e Michael a ataca. Então a câmera retrocede e olha para a foto de Laurie na mesa, onde está escrito Keri Tate, a foto tem um facão igual ao de Michael cravado e no quadro está escrito Laurie Strode. De repente, aparece Laurie acordando, tudo não passava de um sonho, ela acorda gritando e um rapaz vem acudi-la . Descobrimos então que depois do incidente de 1978, Laurie mudou seu nome para Keri Tate, teve um filho chamado John (Josh Hartnett, em seu primeiro filme) e agora é diretora e professora de um colégio no norte da Califórnia. Ela tem um caso com um dos professores também, e vive atormentada com pesadelos envolvendo Michael. É dia de Halloween, e ela tem visões dele o tempo todo. John quer ir a um acampamento com a escola, mas nem isso Laurie permite, com medo de que Michael volte e vá atrás dele. Paralelamente a isso, vemos uma cena de Michael roubando o carro de uma mãe e sua filha. Ele parte em busca de Laurie novamente, já que sabe onde ela está graças aos documentos que roubou do Dr. Loomis. Logo chega a noite, e o pesadelo vai recomeçar para Laurie e seus companheiros, que estão presos na escola com Michael....
O principal defeito deste filme é culpa da safra Pânico, ou seja: sustos fáceis o tempo todo. Caso você tenha esquecido ou está se perguntando o que diabos é um susto fácil, explico: é aquele momento em que tudo está quieto, a música baixinha e suave, de repente alguém se vira e dá aquele TCHAM na música. Eu parei de contar os sustos fáceis no filme lá pelo oitavo mais ou menos. Este foi o primeiro filme que vi da série, aos 11 anos. As mortes são legais até, a maioria facadas, lembrando que este ainda é um filme da série Halloween, não Sexta-Feira 13 nem A Hora do Pesadelo. A figura de Michael caminhando lentamente continua assustadora. Os lugares de onde ele costuma aparecer são meio inusitados, você realmente não esperaria que ele surgisse do teto. No mais é um bom filme, vale a pena uns pila na locação com certeza e quem sabe até ficar acordado pra ver de madrugada. O filme costumava passar na Rede Globo, mas ontem mesmo passou na Rede Record. Aproveitando a ocasião, ontem passou Halloween H20 aqui em casa pela parabólica, mas em outros estados passou Terra dos Mortos (Land of The Dead, 2005, um clássico do mestre George Romero que você poderá conferir em breve aqui no Click Sangrento). Será que a Record agora está escolhendo os lugares para passar determinados filmes? Mistério...
Abaixo segue um guia com as mortes do filme detalhadas.

Contagem de Corpos


Por Michael Myers:

1° - Billy – Patins de gelo cravado na cara
2° - Outro Garoto – Facada nas costas
3° - Norma – Garganta cortada por facão de cozinha
4° - Charles - Garganta cortada por facão de cozinha
5° - Molly – Facada na perna, perna quebrada por elevador, facadas nas costas, corpo encontrado enforcado por uma lâmpada, que estava cravada na barriga (!)
6° - Will – Apunhalado por facão de cozinha e erguido com uma só mão por Michael

Por Laurie Strode/Keri Tate

1° - Michael Myers – Várias apunhaladas, machada, bandeirada, golpeado na cabeça com extintor de incêndio, cabeça arrancada com machado.

-DOWNLOAD-

Formato: RMVB [DVDRip]
Tamanho: 318 MB
Idioma: Inglês (legendado)
Fornecedor: RapidShare

Parte I
Parte II
Parte III
Parte IV

Senha: http://farra.clickforuns.net